History / Historia

 

The first people to inhabit Mozambique were the Bushmen. Between 200 a 300 AD, the Bantu, a group with different ethnic strains but with similar characteristics, migrated from the Great Lake to the North and pushed the local people into the poorer areas in the South. Towards the end of the VI century, the Swahili-Arabs established trading posts to trade for gold, copper and iron.

 

The Portuguese reached Mozambique in the XV century, with the arrival of Vasco da Gama on the Ilha de Moçambique. (Island of Mozambique). From 1502 up until the middle of the XVIII century Portuguese interests in Mozambique were controlled by the Portuguese India administration.

 

Right from the outset, the Portuguese built “feitorias”, or trading posts. These were followed by the fort of Sofala built in 1505 on the coast, and the fort on Ilha de Mozambique built in 1507.

Only years later, in an attempt to take over the gold producing areas did they venture inland and establish new trading posts.

 

These trading posts were succeeded, at the end of the XVII century in the Vale do Zambeze, by “prazos” or privately owned agricultural estates. These lands were either donated or conquered, as the case maybe. This period can be considered as the beginning of Portuguese colonization in Mozambique.

 

The “prazos” were discontinued in 1832, by royal decree, and the emergence of fiefdoms initiated the slave trade, which continued up to and even after the abolition of slavery In the Colonies in 1869.

 

The division of Africa between the European powers, determined in the Berlin Conference of 1884/1885, obliged the Portuguese to maintain permanent occupation of the territories assigned to them.

 

Financial and military difficulties made it impossible for Portugal to maintain its occupation, consequently large areas of land were leased to private companies who became notorious for forced labour practices. These companies controlled the agricultural resources as well as manual labour up until the 1930. Even so, colonial occupation was never a peaceful process. Various tribal chiefs such as Mawewe, Ngungunhana and Komala showed strong resistance.

 

Just as had happened with the other Portuguese colonies, Mozambique also rose up against Portuguese colonial rule. On the 25 September 1964, armed fighting broke out led by FRELIMO - The Mozambique Liberation Front - This party was a joint force of three movements that had organized themselves in exile.

 

The first leader of the movement was Eduardo Chivambo Mondlane and after his death on the 3rd of February 1969, Samora Moises Machel assumed leadership to become the first President of the Republic of Mozambique on the 25th of June 1975. In 1977, civil war broke out, between FRELIMO and RENAMO (National Resistance Party of Mozambique) and lasted for 15 years, until 1992, when a peace accord was finally signed by both parties.

 

The first elections took place in 1994 and victory was obtained by Presidente Joaquim Alberto Chissano who had succeeded Samora Machel as party leader and President after Samora Machel died in a plane crash, in neighbouring South Africa. Mozambique today is a democratic country holding its own elections as foreseen in the Constitution.The last elections ran smoothly in December 2004. Armando Emílio Guebuza, the Frelimo leader was elected President.

 

As primeiras pessoas a habitarem em Moçambique foram os bosquímanos. Entre 200 a 300 anos, o Bantu, um grupo com diferentes linhagens étnicas, mas com características semelhantes, emigraram dos Grandes Lagos para o Norte que empurraram os povos locais para regiões mais pobres do sul. No final do século VI, os suaíli-árabes estabeleceram entrepostos comerciais para o comércio de ouro, cobre e ferro.

 

O Português chegou a Moçambique no século XV, com a chegada de Vasco da Gama na Ilha de Moçambiqu, Desde 1502 até a os meados aos interesses dos portugueses do século XVIII, em Moçambique foram controlados pela administração do Estado Português e da Índia.

 

Desde o início, o Português construído "feitorias", ou mensagens comerciais. Estes foram seguidos por forte de Sofala, construído em 1505, na costa a fortaleza na Ilha de Moçambique construída em 1507. Somente anos mais tarde, em uma tentativa de assumir o controle das áreas produtoras de ouro que se aventuram no interior e estabeleceram novas feitorias.

 

Estes postos comerciais foram sucedidos, no final do século XVII no Vale do Zambeze, por "prazos" ou propriedades agrícolas de propriedade privada. Estas terras foram doados ou conquistados, conforme o caso, talvez. Este período pode ser considerado como o início da colonização Português em Moçambique.

 

Os "prazos" foram interrompidos em 1832, por decreto real, e o surgimento de feudos iniciou o comércio de escravos, que continuou até e mesmo após a abolição da escravidão nas colônias em 1869.

 

A divisão da África entre as potências européias, determinados na Conferência de Berlim de 1884/1885, obrigou o Português para manter a ocupação permanente dos territórios que lhes foram atribuídos.

 

As dificuldades financeiras e militares tornaram impossível para Portugal manter a sua ocupação, conseqüentemente grandes áreas de terra foram arrendados a empresas privadas que se tornaram notórias por práticas de trabalho forçado, estas empresas controlavam os recursos agrícolas, bem como o trabalho manual até 1930, mesmo assim, a ocupação colonial nunca foi um processo pacífico, vários chefes tribais como Mawewe, Ngungunhana e Komala mostraram-se forte resistência.

 

Assim como havia acontecido com as outras colónias portuguesas , Moçambique também se levantou contra o domínio colonial Português . No dia 25 setembro de 1964, a luta armada estourou liderada pela FRELIMO - Frente de Libertação de Moçambique A - Esta festa era uma força conjunta de três movimentos que se organizaram no exílio.

 

O primeiro líder do movimento foi Eduardo Chivambo Mondlane, após a sua morte no dia 3 de fevereiro de 1969, Samora Moisés Machel assumiu a liderança para se tornar o primeiro presidente da então, República Popular de Moçambique que no dia 25 de Junho de 1975 se tornou independente, em 1977 a guerra civil eclodiu , entre a FRELIMO e a RENAMO ( Resistência Nacional Moçambicana ) e durou 15 anos, até 1992, quando um acordo de paz foi finalmente assinado por ambas as partes .

 

As primeiras eleições tiveram lugar em 1994 e a vitória foi obtida pelo Presidente Joaquim Alberto Chissano que tinha sucedido Samora Machel como líder do partido e presidente após a sua morte num acidente trágico aéreo, no país vizinho a África do Sul, Moçambique é hoje um país democrático seguro, pode realizar suas próprias eleições, conforme o previsto na Constitução, as últimas eleições correram sem problemas, em dezembro de 2004. Armando Emílio Guebuza, líder da Frelimo foi eleito presidente.

 

Climate & Culture / Clima e Cultura

Mozambique is one of the most creative countries internationally in the areas of architecture, art, literature and poetry.

 

Some well known names are Malangatana, Mia Couto and Jose Craveirinha.Various athletes are also well known in quite a number of sporting activities, in particular the international athlete Lurdes Mutola.

 

Mozambiquans artistic spirit can be seen in their creative local handicrafts. Worthy of special mention are the intricate and bizarre black ebony woodcarvings of the Macondes to be found in the north of the country.

 

The colourful woven mats are an eye catcher - www.mescla.dk  The older generation still weave baskets and grass mats to bring in a welcoming income.

 

Traditional dress code for ladies is a “Capalana” or sarong, which is wrapped around their bodies and a head piece “Lenso”

 

Once on holiday you will find that Mozambican’s are friendly and very willing to help. If you are lucky enough to stay a week or two Mozambique’s atmosphere of relaxation finds its way under your skin. Life slows down. Take the time to enjoy it.

 

The climate of Mozambique, influenced by the monsoons from the Indian Ocean and the hot current of the Mozambique Canal, is generally tropical and very humid. The dry season, in the Centre/North lasts for about four months, where as in the South, the dry tropical climate lasts up to six months.

 

The rainy season is between October and April. This often leads to floods as the Limpopo river flows through Xaixai. Highest temperatures are normally registered during the rainy season, reaching up to 40˚C

 

In the mountainous areas, the climate is typical of tropical conditions to be found at high altitudes. Average temperatures are around 20º in the South and 26º in the North.

 

Moçambique é um dos países mais criativos internacionalmente nas áreas de arquitetura, arte, literatura e poesia.

 

Alguns nomes conhecidos são Malangatana, Mia Couto e José Craveirinha, varios atletas também. Conhecida em um grande número de actividades desportivas, em particular, o atleta internacional Lurdes Mutola.

 

Moçambiquanos tem o espírito artístico que pode ser visto em seus artesanatos locais criativas. Digno de menção especial, são esculturas em madeira de ébano preto intrincados e bizarras dos Macondes também a ser encontradas no norte do país.

 

Os tapetes e tecidos coloridos, são um colector dos olhos. A geração mais velha ainda a fazerr cestos e esteiras de palha para trazer uma renda de boas-vindas .

 

O clima em Moçambique, influenciado pelas monções do Oceano Índico e pela corrente quente do Canal de Moçambique, é geralmente tropical e muito úmido, a estação seca, no Centro e Norte, tem a duração de cerca de quatro meses, enquanto que no Sul, o clima tropical seco dura até seis meses.

 

A estação chuvosa é entre outubro e abri, isso muita das vezes leva a inundações, como o rio Limpopo aflui através de XaiXai, as temperaturas mais elevadas registradas durante a estação chuvosa, atingiram até 40 ˚ C..

 

Nas áreas montanhosas , o clima é típico de clima tropical que podem ser encontrado em altitudes elevadas, as temperaturas médias são de cerca de 20 º no Sul e 26 º no Norte.

 

Beaches / Praias

The Mozambique coast faces the Indian Ocean and because of its climate, warm waters and vast beach area is rich in many marine species.

 

In the North the beaches are mainly rocky, perfect for marine life. A reef extends through most of the coast line running up to 100m from shore. The sandy beaches are to be found in the South, with high dunes covered with low rough vegetation.

 

Parallel to the coast, are isolated or groups of islands, providing tourists with lodging and the opportunity to observe the very varied vegetation and fascinating wildlife.

 

The magnificent transparent waters are an irresistible invitation to go swimming, snorkeling and diving, and admire the extraordinarily beautiful coral reef and the underwater marine life.

 

The best known beaches along the coast noted for their visitor orientated infra-structures are: Pemba, Ilha de Moçambique, Fernão Veloso, Chocas, Vilanculos, Tofo, Morrungulo, Inhassoro, Inhambane, Bazaruto, Zongoene, Xai-Xai, Bilene, Marracuene, Inhaca, Ponta de Ouro and Ponta de Malongane.

 

Migrating whales pass between Bilene and Vilanculo each year without fail. They like to play close to the shore here at Xaixai. This is an awesome site as they smash the water and play about with their young.

 

A costa de Moçambicana é voltada ao Índico, devido ao seu clima , as águas são quentes e com vasta área rica em muitas espécies marinhas.

 

No Norte predominam as praias rochosas, perfeito para a vida marinha, um recife estende durante a maior parte da linha de costa em execução até 100m da costa, as praias encontram-se na região Sul, com dunas altas e cobertas de vegetação rasteira.

 

Paralela à costa, são isoladas grupos de ilhas, proporcionando turistas com hospedagem e a oportunidade de observar a vegetação muito variada e fascinante também vida selvagem.

 

As magníficas águas transparentes são um convite irresistível para nadar, obsevar de baixo das águas cristalinas e mergulho, admirar extraordinariamente belo recife de coral e a vida marinha.

 

As praias mais conhecidas do litoral pelos seus visitantes orientados e infra- estruturas são: Pemba , Ilha de Moçambique, Fernão Veloso, Chocas , Vilanculos , Tofo , Morrungulo , Inhassoro , Inhambane, Bazaruto , Zongoene , Xai- Xai , Bilene , Marracuene , Inhaca , Ponta de Ouro e Ponta de Malongane.

 

Baleias migratórias passam entre Bilene e Vilanculos a cada ano, sem falhar, elas gostam de jogar perto da costa aqui em XaiXai, este é um lugar incrível de como elas batem nas águas e jogar sobre seus filhotes.

 

HOME   |   GALLERY   |   CLIMATE & CULTURE   |  LOCATION   |   ACCOMMODATION   |   EQUIRIES & RATES

 

History / Historia

 

The first people to inhabit Mozambique were the Bushmen. Between 200 a 300 AD, the Bantu, a group with different ethnic strains but with similar characteristics, migrated from the Great Lake to the North and pushed the local people into the poorer areas in the South. Towards the end of the VI century, the Swahili-Arabs established trading posts to trade for gold, copper and iron.

 

The Portuguese reached Mozambique in the XV century, with the arrival of Vasco da Gama on the Ilha de Moçambique. (Island of Mozambique). From 1502 up until the middle of the XVIII century Portuguese interests in Mozambique were controlled by the Portuguese India administration.

 

Right from the outset, the Portuguese built “feitorias”, or trading posts. These were followed by the fort of Sofala built in 1505 on the coast, and the fort on Ilha de Mozambique built in 1507.

Only years later, in an attempt to take over the gold producing areas did they venture inland and establish new trading posts.

 

These trading posts were succeeded, at the end of the XVII century in the Vale do Zambeze, by “prazos” or privately owned agricultural estates. These lands were either donated or conquered, as the case maybe. This period can be considered as the beginning of Portuguese colonization in Mozambique.

 

The “prazos” were discontinued in 1832, by royal decree, and the emergence of fiefdoms initiated the slave trade, which continued up to and even after the abolition of slavery In the Colonies in 1869.

 

The division of Africa between the European powers, determined in the Berlin Conference of 1884/1885, obliged the Portuguese to maintain permanent occupation of the territories assigned to them.

 

Financial and military difficulties made it impossible for Portugal to maintain its occupation, consequently large areas of land were leased to private companies who became notorious for forced labour practices. These companies controlled the agricultural resources as well as manual labour up until the 1930. Even so, colonial occupation was never a peaceful process. Various tribal chiefs such as Mawewe, Ngungunhana and Komala showed strong resistance.

 

Just as had happened with the other Portuguese colonies, Mozambique also rose up against Portuguese colonial rule. On the 25 September 1964, armed fighting broke out led by FRELIMO - The Mozambique Liberation Front - This party was a joint force of three movements that had organized themselves in exile.

 

The first leader of the movement was Eduardo Chivambo Mondlane and after his death on the 3rd of February 1969, Samora Moises Machel assumed leadership to become the first President of the Republic of Mozambique on the 25th of June 1975. In 1977, civil war broke out, between FRELIMO and RENAMO (National Resistance Party of Mozambique) and lasted for 15 years, until 1992, when a peace accord was finally signed by both parties.

 

The first elections took place in 1994 and victory was obtained by Presidente Joaquim Alberto Chissano who had succeeded Samora Machel as party leader and President after Samora Machel died in a plane crash, in neighbouring South Africa. Mozambique today is a democratic country holding its own elections as foreseen in the Constitution.The last elections ran smoothly in December 2004. Armando Emílio Guebuza, the Frelimo leader was elected President.

 

As primeiras pessoas a habitarem em Moçambique foram os bosquímanos. Entre 200 a 300 anos, o Bantu, um grupo com diferentes linhagens étnicas, mas com características semelhantes, emigraram dos Grandes Lagos para o Norte que empurraram os povos locais para regiões mais pobres do sul. No final do século VI, os suaíli-árabes estabeleceram entrepostos comerciais para o comércio de ouro, cobre e ferro.

 

O Português chegou a Moçambique no século XV, com a chegada de Vasco da Gama na Ilha de Moçambiqu, Desde 1502 até a os meados aos interesses dos portugueses do século XVIII, em Moçambique foram controlados pela administração do Estado Português e da Índia.

 

Desde o início, o Português construído "feitorias", ou mensagens comerciais. Estes foram seguidos por forte de Sofala, construído em 1505, na costa a fortaleza na Ilha de Moçambique construída em 1507. Somente anos mais tarde, em uma tentativa de assumir o controle das áreas produtoras de ouro que se aventuram no interior e estabeleceram novas feitorias.

 

Estes postos comerciais foram sucedidos, no final do século XVII no Vale do Zambeze, por "prazos" ou propriedades agrícolas de propriedade privada. Estas terras foram doados ou conquistados, conforme o caso, talvez. Este período pode ser considerado como o início da colonização Português em Moçambique.

 

Os "prazos" foram interrompidos em 1832, por decreto real, e o surgimento de feudos iniciou o comércio de escravos, que continuou até e mesmo após a abolição da escravidão nas colônias em 1869.

 

A divisão da África entre as potências européias, determinados na Conferência de Berlim de 1884/1885, obrigou o Português para manter a ocupação permanente dos territórios que lhes foram atribuídos.

 

As dificuldades financeiras e militares tornaram impossível para Portugal manter a sua ocupação, conseqüentemente grandes áreas de terra foram arrendados a empresas privadas que se tornaram notórias por práticas de trabalho forçado, estas empresas controlavam os recursos agrícolas, bem como o trabalho manual até 1930, mesmo assim, a ocupação colonial nunca foi um processo pacífico, vários chefes tribais como Mawewe, Ngungunhana e Komala mostraram-se forte resistência.

 

Assim como havia acontecido com as outras colónias portuguesas , Moçambique também se levantou contra o domínio colonial Português . No dia 25 setembro de 1964, a luta armada estourou liderada pela FRELIMO - Frente de Libertação de Moçambique A - Esta festa era uma força conjunta de três movimentos que se organizaram no exílio.

 

O primeiro líder do movimento foi Eduardo Chivambo Mondlane, após a sua morte no dia 3 de fevereiro de 1969, Samora Moisés Machel assumiu a liderança para se tornar o primeiro presidente da então, República Popular de Moçambique que no dia 25 de Junho de 1975 se tornou independente, em 1977 a guerra civil eclodiu , entre a FRELIMO e a RENAMO ( Resistência Nacional Moçambicana ) e durou 15 anos, até 1992, quando um acordo de paz foi finalmente assinado por ambas as partes .

 

As primeiras eleições tiveram lugar em 1994 e a vitória foi obtida pelo Presidente Joaquim Alberto Chissano que tinha sucedido Samora Machel como líder do partido e presidente após a sua morte num acidente trágico aéreo, no país vizinho a África do Sul, Moçambique é hoje um país democrático seguro, pode realizar suas próprias eleições, conforme o previsto na Constitução, as últimas eleições correram sem problemas, em dezembro de 2004. Armando Emílio Guebuza, líder da Frelimo foi eleito presidente.

 

Climate & Culture / Clima e Cultura

Mozambique is one of the most creative countries internationally in the areas of architecture, art, literature and poetry.

 

Some well known names are Malangatana, Mia Couto and Jose Craveirinha.Various athletes are also well known in quite a number of sporting activities, in particular the international athlete Lurdes Mutola.

 

Mozambiquans artistic spirit can be seen in their creative local handicrafts. Worthy of special mention are the intricate and bizarre black ebony woodcarvings of the Macondes to be found in the north of the country.

 

The colourful woven mats are an eye catcher - www.mescla.dk  The older generation still weave baskets and grass mats to bring in a welcoming income.

 

Traditional dress code for ladies is a “Capalana” or sarong, which is wrapped around their bodies and a head piece “Lenso”

 

Once on holiday you will find that Mozambican’s are friendly and very willing to help. If you are lucky enough to stay a week or two Mozambique’s atmosphere of relaxation finds its way under your skin. Life slows down. Take the time to enjoy it.

 

The climate of Mozambique, influenced by the monsoons from the Indian Ocean and the hot current of the Mozambique Canal, is generally tropical and very humid. The dry season, in the Centre/North lasts for about four months, where as in the South, the dry tropical climate lasts up to six months.

 

The rainy season is between October and April. This often leads to floods as the Limpopo river flows through Xaixai. Highest temperatures are normally registered during the rainy season, reaching up to 40˚C

 

In the mountainous areas, the climate is typical of tropical conditions to be found at high altitudes. Average temperatures are around 20º in the South and 26º in the North.

 

Moçambique é um dos países mais criativos internacionalmente nas áreas de arquitetura, arte, literatura e poesia.

 

Alguns nomes conhecidos são Malangatana, Mia Couto e José Craveirinha, varios atletas também. Conhecida em um grande número de actividades desportivas, em particular, o atleta internacional Lurdes Mutola.

 

Moçambiquanos tem o espírito artístico que pode ser visto em seus artesanatos locais criativas. Digno de menção especial, são esculturas em madeira de ébano preto intrincados e bizarras dos Macondes também a ser encontradas no norte do país.

 

Os tapetes e tecidos coloridos, são um colector dos olhos. A geração mais velha ainda a fazerr cestos e esteiras de palha para trazer uma renda de boas-vindas .

 

O clima em Moçambique, influenciado pelas monções do Oceano Índico e pela corrente quente do Canal de Moçambique, é geralmente tropical e muito úmido, a estação seca, no Centro e Norte, tem a duração de cerca de quatro meses, enquanto que no Sul, o clima tropical seco dura até seis meses.

 

A estação chuvosa é entre outubro e abri, isso muita das vezes leva a inundações, como o rio Limpopo aflui através de XaiXai, as temperaturas mais elevadas registradas durante a estação chuvosa, atingiram até 40 ˚ C..

 

Nas áreas montanhosas , o clima é típico de clima tropical que podem ser encontrado em altitudes elevadas, as temperaturas médias são de cerca de 20 º no Sul e 26 º no Norte.

 

Beaches / Praias

The Mozambique coast faces the Indian Ocean and because of its climate, warm waters and vast beach area is rich in many marine species.

 

In the North the beaches are mainly rocky, perfect for marine life. A reef extends through most of the coast line running up to 100m from shore. The sandy beaches are to be found in the South, with high dunes covered with low rough vegetation.

 

Parallel to the coast, are isolated or groups of islands, providing tourists with lodging and the opportunity to observe the very varied vegetation and fascinating wildlife.

 

The magnificent transparent waters are an irresistible invitation to go swimming, snorkeling and diving, and admire the extraordinarily beautiful coral reef and the underwater marine life.

 

The best known beaches along the coast noted for their visitor orientated infra-structures are: Pemba, Ilha de Moçambique, Fernão Veloso, Chocas, Vilanculos, Tofo, Morrungulo, Inhassoro, Inhambane, Bazaruto, Zongoene, Xai-Xai, Bilene, Marracuene, Inhaca, Ponta de Ouro and Ponta de Malongane.

 

Migrating whales pass between Bilene and Vilanculo each year without fail. They like to play close to the shore here at Xaixai. This is an awesome site as they smash the water and play about with their young.

 

A costa de Moçambicana é voltada ao Índico, devido ao seu clima , as águas são quentes e com vasta área rica em muitas espécies marinhas.

 

No Norte predominam as praias rochosas, perfeito para a vida marinha, um recife estende durante a maior parte da linha de costa em execução até 100m da costa, as praias encontram-se na região Sul, com dunas altas e cobertas de vegetação rasteira.

 

Paralela à costa, são isoladas grupos de ilhas, proporcionando turistas com hospedagem e a oportunidade de observar a vegetação muito variada e fascinante também vida selvagem.

 

As magníficas águas transparentes são um convite irresistível para nadar, obsevar de baixo das águas cristalinas e mergulho, admirar extraordinariamente belo recife de coral e a vida marinha.

 

As praias mais conhecidas do litoral pelos seus visitantes orientados e infra- estruturas são: Pemba , Ilha de Moçambique, Fernão Veloso, Chocas , Vilanculos , Tofo , Morrungulo , Inhassoro , Inhambane, Bazaruto , Zongoene , Xai- Xai , Bilene , Marracuene , Inhaca , Ponta de Ouro e Ponta de Malongane.

 

Baleias migratórias passam entre Bilene e Vilanculos a cada ano, sem falhar, elas gostam de jogar perto da costa aqui em XaiXai, este é um lugar incrível de como elas batem nas águas e jogar sobre seus filhotes.